O Grande Hotel do Porto

A 27 de março de 1880 era inaugurado o Grande Hotel do Porto.

Palco de nobres e aristocratas mundiais, refúgio de espiões, políticos e exilados e cenário de artistas, boémios e intelectuais. Muitas foram as personalidades que associaram o seu nome ou a sua passagem pelo Porto a um dos mais antigos hotéis da cidade.

Um hotel que não para no tempo. Para atender às necessidades de todos os hóspedes e proporcionar-lhes a melhor estadia, o Grande Hotel do Porto foi-se renovando, adaptando-se às diferentes exigências, sempre com o objetivo de oferecer todo o conforto para quem procura o charme no centro do Porto.

Mais de um século depois da sua abertura, o primeiro “Grande Hotel” do Porto continua a fazer história, escrita todos os dias com cada hóspede que nos visita e com todos o que voltam ao Porto.

Conheça a nossa história.

Grande Hotel do Porto -

SERVIÇOS DO HOTEL

Grande Hotel do Porto - Localização privilegiada

Localização privilegiada

Grande Hotel do Porto - Receção 24 horas

Receção 24 horas

Grande Hotel do Porto - Wi-Fi gratuito

Wi-Fi gratuito

Grande Hotel do Porto - Serviço de quarto

Serviço de quarto (07:00 - 22:00)

Grande Hotel do Porto - Lavandaria

Lavandaria

Grande Hotel do Porto - Babysitter

Babysitter

oferta do pequeno-almoço Horário das 07:00h às 10:30h

a história do hotel

1880
1900
1920
1940
1960
2000
Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 1880
1880-1900

Inauguração do Grande Hotel do Porto
Propriedade de Daniel Martins de Moura Guimarães, um portuense abastado, recém-chegado do Brasil. Moura Guimarães encomenda o projeto de arquitetura do hotel ao arquiteto José Geraldo da Silva Sardinha.
O edifício com fachada vitoriana incluía o que de mais moderno existia em termos de conforto, comodidade e luxo. Os espelhos franceses, os florões dourados e as colunas em mármore são prova dessa opulência.
O hotel oferecia 40 quartos, cinco suítes, (uma delas a suite real) e outros espaços: Sala de Leitura, Sala de Música, Sala de Jogos e Sala da Senhoras. Nas traseiras do Hotel, na Rua do Ateneu Comercial do Porto, situavam-se os balneários, abertos ao público com água quente e fria, algo muito raro à época. Daniel Moura Guimarães convidou o Dr. Ricardo Jorge e o Dr. Augusto Brandão para diretores de duches e Paulo Lauret para professor de ginástica, naquilo que seria à altura um antecessor dos modernos spa’s.
O Grande Hotel do Porto oferecia serviço de banquetes, bailes e festas que atraíam as figuras notáveis do Reino, da política, da arte e da sociedade.
Na mesma década os Imperadores do Brasil – D. Pedro II e D. Teresa Cristina ocupam o primeiro piso, que foi especialmente adaptado para receber a comitiva real. A Imperatriz não viria a sair, falecendo 4 dias depois vítima de uma avançada lesão cardíaca.
Nos últimos anos do século XIX, José de Oliveira Bastos, também ele regressado do Brasil, entra para a sociedade, passando a ser coproprietário do hotel.

Falecimento de Daniel Martins de Moura Guimarães
Com a morte de Moura Guimarães, os filhos António e Isabel vendem a sua parte ao sócio do pai, que começa as obras de ampliação.

Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 1900
1900-1920

Ampliação do Grande Hotel do Porto
As obras de ampliação iniciadas por José de Oliveira Bastos prolongam-se durante 23 anos. No final, o Hotel passa a oferecer mais 55 quartos, uma nova e majestosa sala de jantar, uma nova cozinha e um terraço, utilizado sobretudo nos meses de verão.
O Terraço era uma novidade na cidade do Porto e atraía muitas personalidades que aproveitavam para apreciar a vista que oferecia. O chão em mosaico, o chafariz com peixes, o varandim com iluminação e o mobiliário proporcionavam longos serões.

Detenção de Afonso Costa
O primeiro-ministro à época é detido no Grande Hotel do Porto, na sequência do golpe de Estado protagonizado por Sidónio Pais, em dezembro de 1917.

Venda do Hotel
O hotel é vendido a D. Ângelo Vasquez Enriquez e António Maria Lopes. Os novos donos continuam a ampliação e reforma do espaço: é criada uma nova cozinha, no vão que existia entre o hotel e a então Camisaria Confiança.

Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 1920
1920-1940

Inauguração do Salão de Inverno
Um novo espaço nasce no Grande Hotel do Porto. O Salão de Inverno apresentava uma claraboia e um fogão de sala, que funcionava nos meses de inverno. A decoração foi da responsabilidade da Casa Nascimento. Hoje é aqui que encontramos a Sala Douro.

Abertura do Livro de Honra
O General Carmona, Presidente da República à data, desloca-se ao Porto acompanhado por uma comitiva governamental, que ficou hospedada no Grande Hotel do Porto. Por altura desta visita foi aberto o Livro de Honra do Hotel, ainda hoje utilizado.
Uma vez que foi aberto nos anos 30, o Livro de Honra não contempla a visita de muitos hóspedes famosos, que fizeram parte da história do Grande Hotel do Porto.

Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 1940
1940-1960

Uma nova direção no Grande Hotel do Porto
António Maria Lopes torna-se o único proprietário do Grande Hotel do Porto. Poucos anos depois, dá-se outra grande reforma nas instalações: todos os quartos passam a contar com casa de banho privativa completa; as portas dos quartos, que eram duplas e pintadas, passam a ser uma só porta envernizada.

Uma nova atualização do Hotel
A entrada principal é também remodelada, ampliando-se a receção, onde é implantado um segundo elevador.
Nas áreas comuns é criada uma boutique na antiga Sala de Leitura e o bar é remodelado.
Os quartos são equipados com novo mobiliário e passam a ser alcatifados.

Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 1960
1960-2000

Remodelação total do hotel
A fachada, os quartos, as zonas públicas, as salas de reunião e a cozinha sofreram obras de melhoria. Contudo, o espírito clássico e a herança de 1880 foram respeitados, para que não se perdesse a traça de hotel de charme.

Grande Hotel do Porto - a história do hotel - 2000
2000-2020

Nova remodelação dos quartos
Entre 2000 e 2004 realizou-se uma remodelação dos quartos e foi criada uma nova escada de emergência. Com estas alterações, o Grande Hotel do Porto passa a oferecer 99 quartos. A responsabilidade do projeto foi do gabinete N & N Arquitectura.

Remodelação interior do Grande Hotel do Porto
Entre 2008 e 2011, é remodelada a decoração interior de todos os pisos do hotel pelo gabinete de arquitetura de Roberto Cremascoli, Edison Okumura e Marta Rodrigues. A nova decoração, em tons de castanho e branco teve como objetivo criar nos pisos e quartos um ambiente moderno, mas com o estilo clássico das áreas públicas do hotel.
O hotel passa a oferecer apenas 94 quartos, já que foram eliminados 5, considerados demasiado pequenos para os padrões atuais de conforto.
A decoração do piso principal é da autoria de Fernando Marques de Oliveira e devolve a esta área o brilho de outros tempos.
O restaurante é rebatizado com o nome D. Pedro II, em homenagem ao último imperador do Brasil, um dos primeiros hóspedes do Hotel. O bar passa a estar mais próximo do Salão das Colunas e ganha um novo nome: The Windsor Bar.
As duas suítes charming são batizadas com os nomes de personalidades que tiveram uma ligação ao hotel:

  • Guilhermina Suggia que conheceu aqui o seu marido, Dr. Carteado Mena.
  • Manoel de Oliveira que filmou aqui cenas dos seus filmes “Amor de Perdição” e “Cristóvão Colombo, O Enigma”.

Novas suítes e nova decoração interior
Em 2017 inicia-se uma nova remodelação interior do hotel. O projeto, da autoria do decorador Fernando Marques de Oliveira, pretende criar uma continuidade da decoração já realizada nas áreas públicas do hotel, nomeadamente no piso principal, para os outros pisos.

Um Hotel mais amigo do ambiente
No terraço do Grande Hotel do Porto é criada uma horta biológica, cujos produtos são utilizados na confeção no Restaurante D. Pedro II.